Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento.Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

AMIEIRO

Alnus glutinosa

O amieiro é uma árvore de origem Européia que possui diversas propriedades medicinais, inclussive no tratamento da doença de Chagas.

Descrição : Planta da família das Betulaceae, também conhecida como Alnus alnus (L.) Britt., Alnus rotundifolia, Alnus vulgaris Hill, Betula alnus ,amieiro erle , aliso, alno e humero, aune , alder-tree, black alder, common alder, english alder, european alder e owler , alno .

Parte utilizada: Casca do tronco e dos ramos, folhas, raiz.

Princípios Ativos: Ácido ascórbico, alicina, alina, cálcio, ferro, fósforo, magnésio, niacina, óleos essenciais, potássio, tianina (vitamina B1), vitaminas A, C. s

Propriedades medicinais: Adstringente (antidiarréico, hemostático local), analgésico local, antipirético, catártica, colerético, descongestionante, emética, febrífuga, hemostática, mucilaginosa, tônico amargo.

Indicações: Chagas, contrações musculares, diarreia, disfunção hepatobiliar, estomatite, febre, ferida, garganta (faringite, tonsilite), hemorroida, leucorreia, inflamações osteoarticulares, mialgias, parodontopatia, úlceras cutâneas, vulvovaginite.

Contraindicações/cuidados: Obstrução das vias biliares, gastrite, úlceras gastroduodenais, síndrome de intestino irritável, colite ulcerosa, hepatopatia, epilepsia, doença de Parkinson e outras doenças neurológicas, tratamentos com alcaloides ou sais de ferro (que são neutralizados pelos taninos ).

Levar em conta também o teor alcoólico da fórmula (extrato, tintura) no caso de grávidas, lactantes e crianças menores de 2 anos. Os taninos podem causar irritação da mucosa gástrica.

Modo de usar: Como emético usar a casca fresca, pois ela provoca vômito. Para todos os outros fins usar a casca seca.

Uso externo: estomatite, parodontopatia, faringite, vulvovaginite, feridas, ulcerações cutâneas, inflamações osteoarticulares, mialgias, contrações musculares;

- casca pulverizada e folhas: tônica;

- decocção da raiz: gargarejo para inflamações na boca, garganta dolorida, faringite;

- decocção da casca em vinagre para lavagem externa: piolho, problemas de pele (sarna, crostas), reumatismo, inflamações, queimaduras, pés doloridos, hidropisia, cobreiro, impetigo, prurite; Cataplasma para inchações de todos os tipos que incluem glândulas aumentadas, escrófula, limpar dentes, firmar gengivas;

- decocção de uma colher de sopa de casca ou folhas em 200 ml de água.

Para uso interno, beber até 400 ml por dia, dividido em várias doses pequenas;

- decocção para uso interno: 20 g de casca e folhas por litro de água, ferver 5 minutos e tomar 100 ml 2 a 3 vezes por dia;

- decocção para uso externo: 20 g de casca por litro de água, ferver 5 minutos e aplicar em forma de compressas, lavagens, colutórios, gargarejos;

- decocção de 30 g de casca em um litro de água. Ferver por 10 minutos. Para lavagem de hemorroidas, feridas, chagas e úlceras. Depois de morno, filtrar e realizar lavagens frequentes, a fim de eliminar as inflamações e as dores consequentes;

- decocção para gargarejos de 20 g de casca em meio litro de água. Deixar amornar, coá-lo e adoçá-lo com mel, utilizando-o para fazer gargarejos: garganta (faringite, tosse);

- infusão de uma colher de sopa de folhas esmagadas para 250 ml água fervente. Deixe esfriar 1/2 hora;

- infusão para irrigações de 50 g de casca de amieiro a um litro de água fervente, deixando até ficar morno. Filtrá-lo e empregá-lo para fazer irrigação vaginal. Repetir a operação duas vezes ao dia: leucorreia;

- tintura: a dose é de 1/2 a 1 colher de sopa ao dia; - pó: dose é de 0,5 a 0,7 g ao dia;

- as folhas podem ser usadas escaldadas, aplicando-as sobre as articulações afetadas: analgésico local; - os ramos com folhas podem ser usados como mosquicida.

Amieiro

Dieta  de 21 dias