Relação das obras consultadas na construção desse site. Guia com algumas doenças e suas ervas respectivas para tratamento. Receitas de chás terapêuticos. Receitas de remédios naturais  produzidos com ervas. mande-nos um e-mail Compre o nosso e-book exclussivo

AZEDINHA OU VINAGREIRA

Oxalis acetosella

Essa planta de propriedades febrífugas, diuréticas e refrescantes e de sabor ácido, é muito apreciada por todos aqueles que se voltam para a natureza para curar e prevenir os seus males.

Descrição : A azedinha uma pequena erva de folhas ternadas, pertencente à família das Oxalidáceas, existem dela numerosas variedades, levando a mesma denominação, tais como azedinha-de-Corumbá, azedinha-da-horta e azedinha-de-folha-cortada. Também conhecida por trevo-azedo.

Dá flores amarelas, dispostas em umbela, com folíolos cordiformes.

Os pecíolos e as folhas possuem um gosto muito azedo, devido à grande quantidade de oxalato de cálcio que contêm.

As raízes são antiescorbúticas.

Segundo a superstição popular, as folhas normais de quatro folíolos dão sorte quem as encontra.

O oxalis foi comido pelos seres humanos durante milênios. O Dr. James Duke's em Handbook of Weeds, ele observa que o índio da tribo Kiowa mastigavam o alazão de madeira para aliviar a sede em viagens longas, que os índios Potawatomi o coziam com açúcar para fazer uma sobremesa, os índios Algonquin consideravam um afrodisíaco, a tribo Cherokee comeu alazão de madeira para aliviar feridas na boca e garganta, e os iroqueses comiam alazão de madeira para ajudar com cólicas, febre e náuseas.

A azedinha como espinafre e brócolis, contém ácido oxálico, que é considerado ligeiramente tóxico, pois na digestão e absorção de alguns minerais.

No entanto, nos E.U. Institutos Nacionais de Saúde determinaram que os efeitos negativos do ácido oxálico são geralmente de pouca ou nenhuma consequência nutricional em pessoas que comem uma variedade de alimentos. Um oxalato chamado "acetosella sal" era antigamente extraído da planta, através de ebulição.

Propriedades : Febrífuga, diurética, refrescante, depurativas nas inflamações intestinais e da bexiga (nefrites), expectorante, adstringente, desopilantes e descongestionantes do fígado (indicado na icterícia), antiescorbútico pelo teor de vitamina C.

Indicações : Por suas propriedades febrífuga, diuréticas e refrescantes é muito apreciada por todos aqueles que se voltam para a natureza para curar e prevenir os seus males.

O seu sabor ácido é muito agradável. Quem quiser uma cura branda, mas contínua, contra as inflamações intestinais e da bexiga pode misturar algumas folhas frescas à salada.

Ricas em vitamina C, as folhas são também um remédio eficaz contra a constipação.

Para uso externo, ela possui um efeito adstringente em feridas, ajudando com isso a uma cicatrização mais rápida.

Compressas de folhas esmagadas servem para reduzir os inchaços.

Antigamente as folhas frescas eram mastigadas para curar casos de gengivite.

Princípios Ativo : Ácido ascórbico, mucilagem, oxalatos (ácido oxálico e oxalato ácido de potássio)

Modo de Usar :

Abscessos frios (cataplasma ): misturar um punhado de folhas frescas, cozidas e mornas, com uma colher de azeite puríssimo, aplicando sobre o abscessos com um pedaço de gaze.

Diurético (decocção : ferver por 5 minutos, 50g de folhas em um litro de água. Consumir o líquido frio, em calicezinhos durante o dia, infusão: com as mesmas doses da decocção, obter um medicamento mais suave.

Febre (decocção): ferver em um litro de água 60g de folhas. Adoçar um pouco e beber em calicezinhos durante o dia.

Intestinos (inflamações, decocção): colocar em uma panelinha 25g de azeite com 50g de folhas frescas de azedinha, 15g de folhas frescas de cerefólio, 15g de folhas de alface e 15g de folhas de beterraba. Ferver tudo até que as folhas estejam cozidas. Passar o líquido por um pedaço de tela, apertando bem para extrair todo o líquido. Beber uma colher de hora em hora até a inflamação desaparecer.

Toxicologia : A planta, utilizada por propriedades estimulantes desde a antiguidade, deve ser usada com moderação. Por ter um alto teor de ácido oxálico, deve-se limitar o uso principalmente por aqueles que sofrem de cálculos renais. Contraindicado também em casos de gastrite. É importante não exceder a dose para evitar efeitos tóxicos. O consumo exagerado desta planta induz a sintomas de intoxicação.

Blanchan, Neltje (2005). Flores Selvagens vale a pena saber. Production Gutemberg Lite Creative Foundation . "Manual de ervas daninhas comestíveis", de James A. Duke, pp. 140-141"

Outros componentes dos alimentos : ácido fítico e ácido oxálico, encontrado naturalmente em algumas plantas, se ligam ao cálcio e pode inibir sua absorção. alimentos com alto níveis de ácido oxálico incluem espinafre, couve, batata-doce, ruibarbo e feijão.

Dentre os alimentos ricos em ácido fítico são fibras que contêm produtos de grãos integrais e farelo de trigo, feijão, sementes, nozes e soja.

A medida em que estes compostos afetam a absorção de cálcio varia. A pesquisa mostra, por exemplo, que comer espinafre e leite, ao mesmo tempo reduz a absorção do cálcio no leite.

Em contrapartida, produtos de trigo (com a exceção de farelo de trigo) não parecem ter um impacto negativo sobre a absorção de cálcio. Para as pessoas que comem uma variedade de alimentos, essas interações provavelmente consequência nutricional pouco ou nenhum e, além disso, são contabilizados nas DRIs cálcio globais, que a absorção em conta. "

Azedinha

Dieta  de 21 dias